segunda-feira, 26 de outubro de 2009

São Paulo, 26 de abril de 2009


Em todo e qualquer canto da cidade que passo, leio isso colado ou pixado nos muros.
E hoje de manhã, a caminho do metrô Anhangabaú, eu percebi que realmente... O amor é importante, porra!
Um mendigo me parou. Eu fiquei com medo, a princípio, o Fe me abraçou e ele disse:
-Olha, eu perdi o amor da minha vida. Era a mulher mais linda do mundo. Nunca ninguém vai amar aquela mulher do jeito que eu amo... Quer ver, quer ver foto?
Ele pôs a mão encardida no bolso e tirou, junto com a carteira de trabalho, duas fotos da tal mulher mais linda do mundo.
-A gente teve cinco filhos. E aí, ela foi embora pro Piauí com um camarada qualquer e eu fiquei aqui, com nossos filhos.
Na foto, uma mulher linda, de longos cabelos loiros. Atrás, escrito Marinalva.
-Mas sabe? Eu fiquei aqui com a nossa família, eu moro na rua e tenho família. Ela deve ter se arrependido, ela não tem ninguém. Já ouviram falar da lei do retorno? Tudo volto, tudo que a gente faz de mal pra alguém, volta pra gente.
Ele ficou mais alguns minutos ali, contando de como tirou seus documentos pra que a polícia não o prendesse e de como o amor que ele sente pela Marinalva é grande.
Se despediu e caminhou, com os pés no chão, rumo a lugar nenhum.
O Fe me olhou e disse:
-Pensa em tudo o que ele disse. Pensa em tudo o que você viveu essa noite. E pensa que toda pessoa que entra na nossa vida - até esse cara - muda uma coisinha. E eu tô feliz por ter te visto tão madura e tão crescida. Feliz e arrepiado. E pode ter certeza, vou dormir muito bem essa noite por ter te visto forte e por ter visto as atitudes que você tomou.
Fui caminhando até o metrô sozinha, enquanto o Fe ia caminhando pra casa dele... Um riso singelo tomou conta dos meus lábios... Pensei que talvez, aquele mendigo, fosse o autor de todos esses cartazes colados nos muros da cidade. Talvez seja ele mesmo o autor. Mas não importa quem seja... Pra mim, o amor é importante, porra!
[texto escrito após uma noite dolorida, mas tão feliz... texto para aquele mendigo que nem sabe quem sou, mas que mudou muita coisa na minha vida.]

5 comentários:

Anitha Rosenrot disse...

Que coisa linda de se ler...
*-*

Nina Flor disse...

eu to curtindo!

Lisa Alves disse...

é o amor é uma simplicidade de gestos ou até mesmo o exagero da placas. Texto lindo

Danilo Lovisi disse...

Lindo lindo... Quero placas dessas por aqui :) Belíssimo texto.

Rafa Serafim disse...

Incrível como ás vezes precisamos ler placas como essas para nos lembrarmos de uma coisa tão importante!