domingo, 28 de fevereiro de 2010

Extremos

Barulhenta como uma carroça vazia ou silenciosa como um sábio oriental?


Excesso é um mal desnecessário do qual não consigo libertar-me.

E quando pouco faço, choro pelo tanto que deixei de fazer.

Escrevendo sobre o punhado que tenho aqui dentro, calando pela parte que não entenderiam por pensar saberem quem sou.

Deliciosa bagunça que me organiza.

1 comentários:

aluisio martins disse...

viva essa bagunça que é descrever escrevendo...
abs